quinta-feira, 26 de maio de 2011

ADEUS LENIN


Adeus, Lênin! Quando o Muro de Berlim caiu...
Imagine-se como o personagem Rip Van Winkle, que sai de sua aldeia e iludido por fantasmas com os quais bebe e joga por algum tempo, adormece profundamente para acordar somente dali a 20 anos. Pense no drama recentemente noticiado de um norte-americano que sofreu um acidente e ficou em coma por longo período, desde o governo Reagan até a administração de George Bush e o conflito no Iraque. Lembre-se da situação vivida por um soldado japonês, representante das forças imperiais nipônicas durante a 2ª Guerra Mundial que, isolado do mundo e sem rádio, guardou bravamente o território conquistado por seu país sem saber que a guerra havia acabado e que os japoneses tinham sido derrotados...
A ficção e a vida real nos colocam em contato com várias histórias em que as pessoas perdem contato com a realidade ao seu redor e, depois de algum tempo, miraculosamente retornam a um cotidiano totalmente diferente daquele em que viviam antes.
“Adeus, Lênin!”, representante do novo cinema alemão, nos coloca em contato com uma curiosa e estimulante reflexão a respeito do que aconteceria se uma ardorosa partidária do socialismo da Alemanha Oriental fosse vitimada por um ataque cardíaco e entrasse em coma justamente no período em que seu país estava prestes a vivenciar a Queda do Muro de Berlim.
Já pararam para pensar a respeito do que aconteceu com as pessoas totalmente crédulas no sistema, confiantes na ditadura do proletariado, divulgadoras dos ideais marxistas e que todos os dias reafirmavam para todos com quem conviviam a ladainha governamental?
A estrutura burocrática criada pelos russos no leste europeu entre seus aliados, como a Alemanha Oriental, propagandeou durante anos as vantagens do socialismo e os problemas do capitalismo. A televisão e os meios de comunicação de massa, submetidos à rígida censura estatal jamais puderam noticiar as crises e as dificuldades pelas quais passavam a própria população de seus países. A carestia material que fazia com que existissem racionamentos e que os produtos fossem distribuídos de forma controlada era situação corriqueira jamais passível de discussões, reclamações ou qualquer tipo de divulgação...
O sistema tinha que ser entendido como perfeito. Qualquer oposicionista estava sujeito a perseguições, afastamento, prisões ou mesmo a morte. Os grandes desfiles militares enalteciam o crescimento nacional e, ao mesmo tempo, procuravam intimidar reações ao demonstrar o potencial bélico dos países.
“Adeus, Lênin!” nos coloca em contato com essa amarga realidade e confronta seus personagens com um dilema... Afinal, devem ou não contar o que aconteceu a mulher que estava em coma e se recuperou subitamente? O que vocês fariam?
O Filme
Quando a sra. Kerner (Katrin Sab) passa mal e entra em coma, a Alemanha Oriental ainda existe. Socorrida a tempo, ela sobrevive, com remotas esperanças de recuperação segundo os médicos. Nesse meio tempo o país em que vive passa por mudanças drásticas e os ventos da democracia varrem do cenário local qualquer resquício que ainda restasse do socialismo. O problema é que a sra. Kerner é uma militante fervorosa da causa socialista...
Quando ela se recupera, ainda fragilizada depois de meses durante os quais esteve internada, seu filho Alexander (Daniel Brühl), preocupado com a possibilidade de um choque que pudesse colocar em risco a vida de sua mãe, se propõe a reviver a Alemanha Oriental mesmo depois da reunificação...
Como fazer isso se o logotipo da Coca-Cola, os carros da Mercedes Benz ou os restaurantes fast-food já povoavam as cercanias orientais? De que forma encobrir o intenso movimento entre o lado ocidental e oriental? O que dizer sobre o súbito desaparecimento de determinadas marcas de produtos típicos do regime socialista? Como silenciar a televisão e o rádio que falavam a todo o momento da transição e transmitiam propagandas de diversos produtos?
Transtornado com a possibilidade de perder a mãe, Alexander convence a irmã, a namorada e o cunhado (entre outros), a participar de uma enorme encenação que preserve a Alemanha Oriental aos olhos de sua mãe. Como ele conseguiu fazer isso? Confira assistindo a esse inteligente filme do diretor Wolfgang Becker.

Nenhum comentário:

Postar um comentário