quinta-feira, 20 de outubro de 2011

A PROCURA DA FELECIDADE


Superação a toda prova
Acreditem, é possível vencer! Nem mesmo os maiores obstáculos podem impedir os obstinados. Aqueles que realmente estão imbuídos de uma meta, atrás de objetivos claros e dispostos a suar a camisa atingem o triunfo. Há inúmeras histórias de pessoas comuns, como eu ou você que lê essas linhas nesse exato momento, que chegaram lá porque se dispuseram a ousar, a estudar, a planejar suas carreiras e vidas, a estruturar cada pequeno passo e a não demonstrar desânimo em nenhum momento de suas jornadas.
“À Procura da Felicidade”, estrelado pelo astro Will Smith e dirigido por Gabriele Muccino, nos coloca em contato com uma valiosa história de superação humana. Num cenário que poderia ser qualificado por muitos como um dos piores possíveis, um jovem pai aposta todas as suas fichas e cada um dos seus minguados centavos na concretização de um novo projeto profissional. Na esteira de tudo isso, abandonado pela esposa e assumindo plenamente suas responsabilidades paternas, o personagem come, literalmente, o “pão que o diabo amassou” para concretizar seus sonhos.
E o que podemos tirar de cada fotograma como experiência ou lição para nossas vidas? Muitas coisas. Por exemplo, que aprendemos tanto com os bons quanto com os maus acontecimentos de nossas existências. A decisão de ficar com seu filho de 5 ou 6 anos, contrariando as expectativas e a própria lei, demonstra o quanto a amarga experiência de ter sido abandonando ainda criança por seu pai marcaram o protagonista do filme, vivido por Smith.
Uma de suas falas/pensamentos indica com clareza o fato e demonstra que, sejam quais forem as dificuldades ou problemas que enfrente, a paternidade não é e jamais será vista ou entendida como empecilho ou drama pelo personagem. Isso abre espaço para mais uma importante consideração, ou seja, a de que a família, tão pouco considerada e valorizada ultimamente é, com certeza, a célula-mater da sociedade e uma das garantias para o desenvolvimento saudável (em todos os sentidos) de pais e filhos.
Isso também é perceptível com facilidade ao longo do filme quando vemos que, mesmo quando o dinheiro é curtíssimo ou inexistente, ainda que não exista um teto ou comida no prato, a presença e a troca de afeto entre pai e filho garantem tanto para o mais velho quanto para o mais novo, alguma sensação de segurança e de estabilidade.
Essas são apenas lições paralelas ao tema principal do filme, mas que não apenas alimentam a trama (baseada em fatos reais), como também nos levam a crer o quão fidedignos e verdadeiros nos parecem todos os acontecimentos ali descritos. A riqueza da história também reside no fato de que nos identificamos com os personagens e sabemos que tudo aquilo poderia acontecer com qualquer um de nós.
O fio principal que conduz a película é, no entanto, a capacidade de superação, a garra, a fibra e todo o empenho demonstrados pelo personagem de Smith para conseguir atingir seus objetivos profissionais. Uma carreira e não um emprego é o que busca o protagonista e, creiam, há uma diferença muito grande entre ambos. Para entender melhor o que quero dizer com isso, ouse assistir e se emocionar com essa bela história da vida real e, como muitos espectadores, passe a acreditar e lutar você também pelos seus sonhos...
O Filme
Vender scanners portáteis que realizam vários exames médicos em hospitais pareceu para Chris Gardner (Will Smith, indicado ao Oscar por sua interpretação) e sua esposa Linda (Thandie Newton) um ótimo negócio. Por esse motivo o casal investiu todas as suas economias na aquisição de várias unidades do aparelho e Chris tornou-se vendedor.
Batia de hospital em hospital, visitava clínicas, tentava negociar o equipamento com administradores hospitalares e médicos todos os dias, sem jamais demonstrar cansaço ou desânimo, ainda que os resultados obtidos fossem muito ruins... Passaram-se alguns longos e penosos meses durante os quais Gardner não conseguiu negociar nenhum equipamento. Com isso o dinheiro ficou cada vez mais curto e as contas foram se acumulando: o aluguel, impostos, a água, o telefone, a gasolina,...
O salário de sua esposa era baixo e somente pagava aquilo que era mais imediato. A paciência dela também era curta e, depois de algum tempo, se esgotou completamente. Veio a separação e o abandono do lar pela jovem, em busca de uma melhor perspectiva de vida, que não via ao lado do marido, a quem considerava um perdedor...
Mas a família não se restringia aos dois... Entre eles havia ainda o pequeno Christopher (Jaden Smith, filho de Will Smith na vida real) e suas necessidades, como a creche, a alimentação, as roupas, a higiene, a saúde,... A mãe até quis levar o garoto de 5 ou 6 anos com ela, mas do menino o pai não abriu mão, apesar das dificuldades que a vida lhe apresentava...
A gota d’água para a separação foi a decisão de Chris de tentar uma nova profissão. Queria tornar-se corretor na bolsa de valores, trabalhar numa boa corretora e, como alguns profissionais da área que tivera a oportunidade de observar, ganhar algum dinheiro, segurança e estabilidade.
Nada demais num belo sonho como esse, não acham? Só que para que isso pudesse acontecer, Chris teria que se tornar estagiário de uma firma durante 3 meses, sem qualquer remuneração ou garantia de que poderia ficar com o emprego ao final, posição profissional que estaria disputando com mais algumas dezenas de candidatos... Se não bastasse isso, sem dinheiro, prestes a ser despejado pelo seu senhorio, tendo seu filho a tiracolo e com seu carro tendo sido apreendido pelas autoridades, assim como o que ainda restava de seu saldo bancário, cabia o questionamento: Como encontrar a felicidade?
Fonte: CineWeb.




Nenhum comentário:

Postar um comentário