quinta-feira, 3 de novembro de 2011

A ULTIMA TENTAÇÃO DE CRISTO

Talvez o mais polêmico filme do célebre Martin Scorcese A Última Tentação de Cristo nos propõe uma instigante re-concepção da vida de Cristo à luz não das suas virtudes divinas, mas das suas inconfessáveis fraquezas humanas.
Considerado herético pela Igreja Católica, A Última Tentação de Cristo (The Last Temptation of Christ, EUA, 1988) permaneceu proibido em diversos países por muitos anos (somente agora, por exemplo, é que a obra deixou de ser proibida no Chile, após 15 anos de censura). O filme, baseado no polêmico best-seller homônimo de Nikos Kazantzakis, nos propõe uma releitura dos acontecimentos da vida de Jesus Cristo, enfatizando a sua natureza dividida e o seu conflito interior entre o messias predestinado por Deus ao sacrifício na cruz e o homem comum e prático que ambiciona constituir família e desfrutar de uma vida serena e tranqüila no mais absoluto anonimato.
Cristo (o ótimo Willem Dafoe, o Duende Verde do primeiro Homem-Aranha) é um marceneiro judeu, responsável pela feitura das cruzes com as quais os romanos crucificam aqueles que se opõem ao seu domínio. Atormentado por pesadelos e visões os quais desconhece o real significado, foge para uma espécie de mosteiro onde, através de uma decisiva e reveladora visão, toma consciência do seu papel como o tão aguardado messias. A partir de então, decide percorrer toda Israel, professando a sua crença em Deus (e em si próprio como o seu emissário direto, em verdadeiros arroubos de orgulho próprio). Acompanhando-o está um grupo de discípulos, dentre os quais Judas (Harvey Keitel, em uma atuação bastante criticada que lhe valeu uma indicação ao "Framboesa de Ouro" de pior ator coadjuvante), grande amigo de Cristo e seu braço direito.
O filme retrata, de maneira única, alguns dos mais célebres eventos do Novo Testamento, como o batismo de Cristo por João Batista, o seu exílio no deserto e a ressurreição de Lázaro. Em todos, vemos um Jesus inseguro, orgulhoso, incerto quanto aos reais desígnios de Deus; enfim, não divino, mas humano. Mais tarde, já na cruz, à beira da morte, Cristo é tentado uma derradeira e decisiva vez a abdicar de sua responsabilidade para com a humanidade e do sacrifício na cruz como o Escolhido e assumir para si a vida de um homem comum, com esposa, filhos e uma perspectiva de envelhecer e morrer como tal...
A partir de então o filme adentra o terreno do que o constitui em sua razão de ser (como o romance no qual se inspirou): a própria última tentação de Cristo. Vemos Cristo se casar com Maria Madalena, ter filhos - e uma amante! - e envelhecer como um homem qualquer. O vemos exultante ante sua nova condição: de fato, jamais ambicionara nada mais do que aquilo que passou a ter desde que, seduzido por um belo anjo, fugiu do sacrifício ao qual estivera destinado.
Quando, à beira de uma serena morte como um homem comum, descobrindo-se vitima de um ardil de Satanás, Cristo decide, uma vez mais, se por à disposição daquele de quem estivera fugindo durante todo o tempo. Velho e debilitado, o ex-Messias rasteja por entre os escombros de uma Jerusalém sitiada pelos romanos implorando o perdão de Deus.
 E, afinal, o consegue. Mas não somente a isto!... Em questão de meros instantes, Cristo novamente se vê crucificado. Novamente tendo de enfrentar o mesmo sacrifício do qual houvera fugido antes. Mas, desta vez, o vemos, irresoluto, decidido a enfrenta-lo. E tudo já lhe parece, então, tão natural que ele até chega a ostentar um breve sorriso um tanto quanto zombeteiro, num misto de satisfação e comodismo de uma pessoa de quem sempre se esperou absoluta divindade, mas que não consegue escapar da sua mera e tão própria humanidade. A seqüência final do filme é brilhante! Afinal, se fomos mesmo criados a imagem e semelhança de Deus, por que "Ele" se furtaria a refletir o que temos de mais particular e humano: a nossa própria natureza conflituosa, posto que comumente somos postos de encontro a convenções ou marcais culturais que nos restringem? De qualquer modo, tanto quanto ser seduzido por um lindo anjo, sem dúvida nos parece muito mais tentadora a releitura proposta por Scorcese e Kazantzakis do que a concepção tradicionalmente acatada, tão destituída de humanidade quanto um autômato.
 O filme conta com as participações especialíssimas do rockstar David Bowie, como Pôncio Pilatus, e o excelente Harry Dean Stanton (de Paris, Texas de Win Wenders), como o apóstolo Paulo. Destaque para a direção primorosa de Scorcese, indicada ao Oscar da categoria, Willem Dafoe como o conflituoso e atormentado Jesus Cristo e Barbara Hershey como a ardente e apaixonada Maria Madalena (indicada ao Globo de Ouro de melhor atriz coadjuvante). A espetacular trilha sonora de Peter Gabriel (que conta, inclusive, com a participação de percussionistas brasileiros), indicada a um Globo de Ouro da categoria, é um show à parte e contribui enormemente ao conjunto da obra, em um dos poucos casos, em matéria de cinema contemporâneo, onde música e imagem se complementam de forma única e não parecem descoladas uma da outra.
Fonte: CineWeb.


Nenhum comentário:

Postar um comentário