quinta-feira, 31 de maio de 2012

CRUZADAS

A estabilidade vivida na Europa do século XI proporcionou grandes mudanças no mundo feudal. O fim das invasões bárbaras incrementou a população no interior dos feudos e possibilitou o acúmulo de excedentes a serem comercializados nas feiras locais. Ao mesmo tempo, o aumento dos contingentes populacionais não foi acompanhado pela ampliação das lavouras desse período.
Dessa forma, os senhores feudais começaram a aumentar as tributações e exigências sobre as populações servis. Ao mesmo tempo, preocupada em não fragmentar as terras sobre o seu domínio, essa mesma classe nobiliárquica passou a conceder o direito de herança das terras somente para o primogênito. Os demais, sem algum tipo de propriedade, buscavam outros tipos de atividades para garantir a própria sobrevivência.
Muitos servos, sujeitos a opressão nobiliárquica, preferiam sair dos feudos para se lançarem à mendicância ou qualquer outro tipo de atividade marginal. Nesse contexto, a Idade Média começou a vivenciar um inchaço populacional capaz de causar uma crise no mundo feudal. Nesse mesmo período, a Igreja se via ameaçada pela expansão da religião muçulmana, que já tinha dominado parcelas da Europa Ocidental.
No ano de 1095, a Igreja resolveu criar oposição aos muçulmanos que dominaram a cidade de Jerusalém. Dessa maneira, objetivando controlar a Terra Santa, o papa Urbano II começou a convocar os cristãos contra o avanço dos muçulmanos. Os comerciantes da época, interessados em controlar as rotas comerciais árabes, apoiaram a investida militar convocada pelo alto clero medieval.
Os nobres e servos desprotegidos também participaram da empreitada objetivando a conquista de novas terras. Dessa forma, comerciantes, clérigos, nobres sem-terra e homens livres se engajaram no exército cristão, que cingido pelo sinal da cruz, formou o chamado movimento das cruzadas. Ao longo de dois séculos, várias cruzadas partiram da Europa Ocidental rumo à Ásia Menor.
Ao longo desse processo, as cruzadas possibilitaram o controle de vários entrepostos comerciais no Oriente e a expansão das terras cultiváveis. Dessa forma, podemos ver nas cruzadas um momento de consolidação de uma intensa atividade comercial que orientou o quadro de transformações que marcaram o contexto social, político e econômico da Idade Média.
Rainer Sousa


Nenhum comentário:

Postar um comentário