sexta-feira, 1 de novembro de 2013

JOANA D'ARC A HISTÓRIA DA HEROÍNA FRANCESA

Os franceses comemoram os 600 anos de Joana d'Arc. Veja o que há de verdade e mito nesse personagem
Acredite se quiser. Vivendo em um pequeno vilarejo, pastora religiosa, pobre e virgem ouve vozes de santos dizendo que ela tem uma missão divina: libertar a França de uma guerra que já durava quase um século. Ela convence um nobre a levá-la à presença do rei, a quem revela sua missão numa conversa a sós e ganha dele um exército de 7 mil homens. Depois de muitas vitórias e algumas derrotas, é capturada pelo inimigo, acusada de bruxaria e queimada viva. Sua morte a transforma em mártir, séculos depois ela vira santa e uma das padroeiras de seu país. Se essa história convenceu você, saiba que não está sozinho. Nos últimos 500 anos, é essa a versão oficial contada aos franceses sobre Joana d'Arc, a Pucelle, ou Donzela, que ajudou a libertar seu país da terrível Guerra dos Cem Anos, contra a Inglaterra. Estudos recentes, em número cada vez maior, vêm desacreditando o mito que transformou Joana em libertadora durante a vida e em símbolo nacional a partir do século 19.
 Os franceses comemoram o 600º aniversário da Donzela no dia 6 de janeiro. Mas até sua data de nascimento, em Dom Remy, na região de Lorena, é coberta de imprecisões. Oficialmente, a data vem de seu depoimento aos inquisidores em 1431, ainda que ela tenha sido bastante imprecisa: "Ao que me parece, tenho por volta de 19 anos". Sua amiga de infância, Hauviette, nascida em 1410, afirmava que Joana era 3 ou 4 anos mais velha do que ela. Alguns cronistas dizem que, ao se encontrar com o rei, em 1428, Joana teria dito que tinha 21 anos. Parece confuso? Bom, estamos celebrando 600 anos de Joana d'Arc, mas ela deve ter nascido em 1407 ou 1408. Para piorar, na época o calendário utilizado era o Juliano, cujo ano tinha duração variável (podia ter 330 ou mais de 400 dias) e começava na Páscoa.
 Qualquer que tenha sido sua idade, a história de Joana marca um período em que o próprio reino da França esteve ameaçado. Ela viveu na fase final da Guerra dos Cem Anos, o maior conflito europeu da Idade Média (veja na página ao lado). Na história oficial, à frente de seu exército, a pastora liberta a cidade de Orleans após ser ferida em batalha e recusar as ordens de retirada.
 Queimada viva
 Depois, cavalgou por 11 dias escoltando o delfim, o futuro rei da França, Carlos, à Catedral de Reims, onde ele foi coroado, em 17 de julho de 1429. As vozes que ouvia seriam de são Miguel, santa Margarida e santa Catarina, com instruções divinas para a reconquista da França. Foi seguindo as vozes que, contra a vontade do rei - então em negociações secretas para selar a paz com os ingleses - partiu para a tomada de Paris, seguida por 9 mil soldados. Ferida por uma flecha que atravessou sua coxa, foi obrigada a recuar. Mas meses depois organizou seu próprio exército, participou de expedições punitivas e libertou várias cidades, até cair prisioneira durante o cerco de Compiègne. Vendida aos ingleses, foi condenada por heresia e bruxaria e queimada viva em Rouen, o quartel-general das forças invasoras. Em 1455, anos depois do fim da guerra, Joana foi reabilitada por um novo tribunal da Inquisição - considerada inocente e elevada à categoria de mártir. Em 1920, virou santa, devido a milagres ocorridos no século 19, e não por seus feitos militares ou seu papel de porta-voz divina. Dois anos depois, tornou-se uma das padroeiras da França.
 Desde o século 19, duas correntes, relegadas pela historiografia oficial, tentam dar sentido ao mito de Joana d'Arc: os bastardistas e os sobrevivistas. Para os bastardistas, Joana seria a filha da rainha Isabela com o cunhado, o duque Luís de Orleans, notório amante da monarca. O rei Carlos 4º tinha ataques de loucura de tal magnitude que ele era proibido de dividir o mesmo quarto com a rainha, que vivia em um palácio próprio em Paris. O duque de Orleans era tido como o pai do último dos 12 filhos de Isabela, Felipe, que teria nascido morto. Para os bastardistas, a suposta morte do bebê seria um artifício para encobrir o escândalo e a criança teria sido entregue a vassalos para ser criada longe da corte. O bebê seria Joana. A teoria ajuda a explicar a ascendência dela sobre os cavaleiros e o fato de ser recebida pelo futuro rei da França - algo improvável, mesmo que a Donzela evocasse sua "missão divina". A origem nobre explicaria o episódio de uma maneira bem mais terrena e contextualizada. Para os bastardistas, não por acaso, a primeira cidade libertada por Joana e seus homens foi Orleans, terra de seu suposto pai, assassinado por aliados dos ingleses em 1407.
 Os sobrevivistas defendem que Joana não ardeu na fogueira. A base dos argumentos são as narrativas da execução. As janelas das casas que davam para a praça do Velho Mercado, em Rouen, foram tampadas com madeira. A mulher queimada estava com o rosto coberto. O carrasco foi impedido de acender a fogueira - a tarefa ficou a cargo dos inquisidores. Também havia ordens expressas para que o corpo calcinado fosse queimado novamente e as cinzas jogadas no rio Sena, que banha a cidade, para evitar que surgissem relíquias. Só o coração teria sobrevivido ao fogo - alimentando a imaginação da população. Se Joana tivesse mesmo sangue real, faz sentido imaginar que outra pessoa pegou fogo em seu lugar, na opinião dos sobrevivistas.
 As falsas Joanas
 Os adeptos da teoria dizem que Joana reapareceu depois de alguns anos nos mesmos locais por onde havia passado. Há anotações em livros de contas de cidades fortificadas com o gasto de muita cerveja e vinho em cidades que foram libertadas por Joana d'Arc em homenagens a outra Joana, de Armoises, casada com o cavaleiro Robert de Armoises. Para a história oficial, Joana de Armoises é uma entre muitas falsas Donzelas que apareceram por toda a Europa, aproveitando a fama e a lenda da enviada de Deus para libertar a França. Mas apenas Joana de Armoises foi reconhecida pelos irmãos Pierre e Jehan d'Arc e até pelo próprio rei, Carlos 7º, como a verdadeira Donzela. Se Joana de Armoises é mesmo a Pucelle, um retrato ao lado do marido no castelo de Jaulny, propriedade da família, talvez seja a única representação da heroína francesa fruto da observação direta. E a imagem contrasta radicalmente com as milhares de outras pinturas e esculturas de Joana que se espalharam a partir do século 19 pela França.
 Em abril de 2007, pesquisadores que estudaram os supostos restos mortais recolhidos da fogueira de Rouen descobriram que o material pertencia... a uma múmia egípcia. Em setembro daquele ano, o jornalista Marcel Gay e o ex-militar Roger Senzig publicaram L'Affaire Jeanne d'Arc, que ajuda a entender a criação do mito da pastora que ouvia vozes divinas. A lenda seria parte de uma estratégia criada por Yolanda de Anjou para proteger o futuro rei Carlos 7º, noivo de sua filha Marie de Anjou. Yolanda havia recebido uma autorização para criar o pequeno Carlos longe da rainha e de seus irmãos mais velhos. Dois deles morreram em circunstâncias nebulosas e o tal menino tornou-se o delfim. Yolanda teria feito circular por toda a França a lenda que previa o surgimento de uma virgem que libertaria o país - e ajudaria a transformar sua filha em rainha. No ano passado, Bernard Simonay publicou Le Lys et les Ombres (O Lírio e as Sombras, sem edição no Brasil), um romance histórico que tece um enredo plausível de quem foi a real Joana d'Arc. "Fizemos de Joana d'Arc um símbolo, construído sobretudo no fim do século 19", disse Simonay. "Não é falso afirmar que ela é um ícone da França, mas é importante lembrar que não podemos falar de patriotismo ou nacionalismo naquela época. As pessoas eram ligadas ao rei, e não a uma nação."
 Legado permanente
 No período da Guerra dos Cem Anos, a história de Joana correu a Europa, como se lê em diversas crônicas da Idade Média. Grandes historiadores franceses, como Jules Michelet (1798-1874), dedicaram milhares de páginas a ela. A biblioteca Jeanne d'Arc, em Orleans, cataloga 22 mil documentos ligados à epopeia da Donzela. Durante a 1ª e a 2ª Guerra, a figura de Joana d'Arc motivou soldados franceses. Cartões-postais com sua imagem circulavam nas frentes de batalha e serviam de estímulo às tropas. O general Charles De Gaulle elegeu como símbolo da resistência a cruz de Lorena para evocar a heroína. Hoje, a cruz de Lorena é associada à ultra-direita francesa. Joana estreou nas telas ainda na pré-história do cinema: Georges Meliès dedicou-lhe um filme no século 19. Heroína das mil faces, muito da Joana real - seja ela pastora, nobre ou santa - vai ficar perdido para sempre nas brumas da Idade Média. Mas sua importância para a História da França e o efeito de seu legado na imaginação dos franceses permanecerão para sempre.
 O rosto da heroína
 A imagem de Joana se multiplicou na França, mas na historiografia oficial não existe nenhum retrato da Donzela real
 A donzela
 Pesquisadores defendem que Joana não foi queimada na fogueira em Rouen, mas substituída por outra mulher
 A santa
 Joana foi canonizada por milagres realizados no século 19 e não pelos feitos militares ou por ouvir vozes divinas
 Símbolo nacional
 Cartões-postais são uma obssessão francesa. Muitos usaram Joana como símbolo de alento para os soldados no século 20, durante a 1ª e a 2ª Guerra.
A guerra de Joana

O cenário da Guerra dos Cem Anos é a França, mas as origens do conflito são como uma mão invertida. Em 1066, Guilherme 1º, duque da Normandia, conquistou a Inglaterra. Criou-se ali uma situação curiosa: ainda que Guilherme fosse um rei inglês, era um vassalo do rei da França, na condição de duque da Normandia. Em 1154, seu sucessor, Henri 2º, casou-se com Aliénor de Aquitânia, o que lhe garantia a metade do atual território francês. A situação permaneceu estranha, mas sob controle, até 1328, quando o rei da França, Carlos 4º, morreu sem deixar herdeiro. Eduardo 3º, da Inglaterra, sobrinho de Carlos, postulou o reino. O conde de Valois, neto de Felipe 3º, antigo rei francês, também reivindicou o trono. Uma assembleia convocada para resolver a questão ficou do lado de Valois. Eduardo aceitou a decisão, até Valois iniciar manobras para retirar parte de seu território. A guerra começou em 1337 e só terminou em 1453, com a vitória francesa. Os ingleses, que tinham como aliado o ducado de Borgonha, ficaram com uma pequena faixa ao redor de Calais, que mantiveram até 1558.
Diego Inglez De Souza | 30/01/2012 (Aventuras na História).

Nenhum comentário:

Postar um comentário