quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

A DESCOBERTA DE OURO CONTRIBUIU PARA A FORMAÇÃO DOS EUA

Como uma descoberta acidental levou milhares de pessoas à Califórnia e transformou os EUA em um país continental
A formação dos Estados Unidos, que nasceram da reunião de 13 colônias britânicas banhadas pelo Atlântico, deve muito a dois fatores bem disparatados, que têm em comum uma incrível coincidência: a vitória militar sobre os mexicanos, que se traduziu na forma de novos territórios, e a descoberta de ouro na Califórnia. Na manhã do dia 24 de janeiro de 1848, o carpinteiro James Wilson Marshall e seus funcionários trabalhavam na construção de uma serraria no rancho de John Sutter, na região de Sierra Nevada, no centro da Califórnia. Marshall tinha de desviar um riacho para instalar a serra, movida pela força da água. Quando olhou para o leito lamacento do rio dos Americanos, algo chamou sua atenção: havia uma coisa brilhando ali, à luz do Sol. Era ouro. Naquela manhã, a Califórnia era simplesmente terra de ninguém. Uma semana depois, a guerra travada entre Estados Unidos e México chegaria ao fim - e a Califórnia (mais Arizona, Novo México, Nevada e Utah, no oeste do continente) se transformaria em território americano. O carpinteiro e o dono das terras selaram um pacto para manter segredo sobre a descoberta, que não durou muito tempo. No dia 15 de março, um jornal da cidade portuária de São Francisco, então um vilarejo, revelou a história - que incrivelmente não causou alarde. Na verdade, ouro não era algo desconhecido por ali. "Mexicanos já haviam descoberto ouro no sul da Califórnia mais de dez anos antes", diz o professor de história americana Albert Camarillo, da Universidade Stanford.

Havia nos ermos da região uma daquelas confluências de oportunidade e necessidade que, quando ocorrem, costumam mudar o curso da História. A corrida do ouro transformou-se num rastilho que mexeu com corações e mentes de americanos do leste, a parte civilizada e estável dos EUA (mas a febre também contaminou gente do mundo todo). Era tudo o que o governo americano precisava para confirmar a vocação de país continental e levar pessoas para uma região desértica e pouco habitada, que acabara de ser conquistada aos mexicanos. De certa maneira, a corrida do ouro ajudou a moldar o caráter da nação. Tome-se o exemplo de Samuel Brannan, de São Francisco. Ao saber que havia ouro na Califórnia, montou uma loja para vender bateias (as bacias em que se lava a areia para separar as pepitas de ouro), pás e picaretas. Depois, saiu correndo pelas ruas de São Francisco com uma garrafa supostamente com ouro em pó, aos berros: "Ouro! Ouro! Ouro do rio dos Americanos".
A "campanha" de Brannan antecipou o que hoje chamamos de "marketing viral" - e realmente contaminou a população. O comerciante foi o primeiro exemplo de um tipo de cidadão que se aproveitaria da corrida do ouro sem dar-se ao trabalho de garimpar para ganhar muito dinheiro. Uma bateia que ele havia comprado por 20 centavos de dólar dias antes era vendida por 15 dólares. Em 9 semanas, ele faturou 36 mil dólares (ou 1 milhão de dólares em dinheiro de hoje). Outro empreendedor que se deu bem foi um alfaiate que criou uma calça de tecido grosso com rebites, perfeita para quem encarava o pesado trabalho de mineração. Ele se chamava Jacob Davis e se associou ao imigrante alemão Levi Strauss, que acabou batizando a calça jeans em 1853.
O ouro que brotava na Califórnia era generoso. Nos primeiros meses depois da descoberta, era possível coletar as pepitas diretamente do solo. Bastava agachar e pegar. O metal precioso era encontrado em leitos de rios e em ravinas aos borbotões. O mexicano Antônio Franco Coronel, por exemplo, abandonou o emprego de professor em Los Angeles e em três dias de mineração recolheu 4,2 kg de ouro. "Quem chegou cedo se deu bem", diz Susan Lee Johnson, historiadora da Universidade de Wisconsin.
Em pouco tempo, o rancho de John Sutter foi cercado por milhares de caçadores de fortuna. Barcos que atracavam em São Francisco, a 212 km dali, eram abandonados pelos marinheiros. A própria cidade ficou praticamente vazia. Em agosto de 1848, a notícia chegou a Nova York. Em dezembro, depois de receber um pacote com pepitas, o presidente americano James Polk foi ao Congresso para anunciar o achado. Nos 5 anos que se seguiram à descoberta, 300 mil pessoas do mundo todo correram para a Califórnia e tiraram de suas entranhas 370 toneladas de minério (em dinheiro de hoje, algo como 19,4 bilhões de dólares). Para ter uma ideia da volúpia, os territórios federais americanos costumavam levar décadas para atingir 60 mil habitantes, a cifra populacional para pleitear sua admissão na União como estado. Em 1848, o território federal da Califórnia tinha 14 mil habitantes, com maioria de hispânicos e índios. Apenas dois anos depois, tornou-se estado americano. "A corrida do ouro transformou o perfil dos habitantes da Califórnia", diz o professor Camarillo.
As viagens por terra, as preferidas de quem vinha com a família do leste dos EUA, demoravam meses - não existiam ainda estradas e ferrovias (a distância entre Nova York e São Francisco, 4,1 mil km, é equivalente à do Oiapoque ao Chuí, os pontos extremos do Brasil). Gente que preferia deixar a família e partir sozinho, como o aventureiro Sheldon Shufelt, normalmente ia de navio. Ele embarcou com destino ao Panamá, fez o trajeto por terra - o canal só seria inaugurado no século seguinte - e embarcou em outro barco no Pacífico. A viagem costumava demorar 3 meses. "Deixei aqueles que amo e minha própria vida para trás", escreveu Shufelt em uma carta para seu primo em março de 1850. Ele voltou a Nova York no ano seguinte, apenas para morrer de uma doença tropical que contraiu no Panamá - e sem dinheiro. Shufelt fez parte de uma geração que se tornou conhecida como 49ers (ou forty-niners, hoje o nome do time de futebol americano de São Francisco, em referência a 1849).
As notícias sobre ouro ao alcance da mão ganharam o mundo graças aos marinheiros que aportavam em São Francisco. Logo, chineses, latinos, europeus e até australianos chegaram à região. Os acampamentos dos garimpeiros rapidamente se transformaram em cidades - e muita gente começou a ganhar dinheiro no comércio, com lojas, armazéns e bordéis para atender às necessidades dos que corriam atrás do sonho americano da fortuna rápida. Mas o ouro era um recurso finito.
Numa manobra que usava o medo da anarquia para obter vantagens econômicas, os americanos criaram leis para restringir o acesso de estrangeiros aos veios. "Em 1850, o governo do estado passou a taxar o ouro descoberto por estrangeiros", diz a historiadora Susan Lee Johnson. "Isso limitou o trabalho deles e ajudou a definir que a busca por ouro seria, a partir de então, um privilégio reservado apenas aos cidadãos americanos." O tempo fechou de vez quando milícias de americanos passaram a ameaçar os estrangeiros. O recado era claro: a Califórnia é americana e o ouro pertence aos americanos, de acordo com o professor Camarillo. Como havia muito dinheiro em jogo, os conflitos rapidamente se radicalizaram. "A busca por riqueza foi feia. Desfigurou a natureza, explorou os mexicanos, exterminou tribos indígenas e maltratou chineses", afirma Richard Slotkin, professor de estudos americanos da Universidade Wesleyan.
O avanço sobre a terra foi tão grande e rápido que em 1853 o ouro começou a escassear. Agora só se conseguia extrair o metal com bombas de sucção e esteira mecânica. O tempo do heroísmo individual havia acabado. Para Slotkin, a corrida do ouro "foi uma terrível perda de vidas e empobrecimento de pessoas, em que pouca gente fez fortuna". De fato, James Marshall, que descobriu o ouro, morreu na miséria em 1885. Sutter também não ficou milionário - ele trocou ouro por gado e ovelhas, que acabaram roubadas por garimpeiros, e faliu em 1852. Mas a corrida do ouro deixou seu legado. O dinheiro da mineração impulsionou a região e o afluxo de imigrantes tornou a Califórnia um estado viável. Hoje, o PIB do estado está entre os dez maiores do mundo. O sonho americano continua ali, na forma da indústria do cinema e da informática, que transforma atores e nerds espinhentos em milionários da noite para o dia - tal como ocorreu com alguns dos forty-niners.


Carlos Bighetti (Revista Aventuras na História, jukho de 2012).

Nenhum comentário:

Postar um comentário