terça-feira, 2 de dezembro de 2014

COMO A LÂMPADA MUDOU O MUNDO

Antes dela, as casas eram iluminadas por velas, que às vezes causavam incêndios enormes (como os que queimaram metade de Copenhague no século 18). Em 1879, o americano Thomas Edison inventou a lâmpada elétrica incandescente para acabar com esse perigo. Ela desperdiçava 95% da eletricidade, mas acabou ganhando o mundo - e aí veio a ganância. Na década de 1920, os fabricantes se uniram num cartel e resolveram produzir lâmpadas mais frágeis, que duravam apenas mil horas - 50% menos que a de Edison -, para obrigar as pessoas a trocarem mais. Em 1938, surgiu a lâmpada fluorescente, que gasta menos energia, mas tem seu próprio problema: contém mercúrio, altamente tóxico. Só no Brasil, 94 milhões de fluorescentes são jogadas em lixões a cada ano, contaminando o solo e os rios. A solução é a lâmpada de LED, que não usa mercúrio e dura 25 anos, mas ainda é cara (custa cerca de cinco vezes o preço de uma fluorescente). Já a velha lâmpada de Edson está perto da morte: seguindo EUA e Europa, o Brasil irá bani-la em 2016.
Melissa Schröder - Revista SuperInteressante, maio de 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário